A Ética e a Educação

tica-x-educacao-1-728Os conceitos que representam a formação do ser humano para o bem onde as virtudes tenham uma influência natural deveriam merecer de todos os responsáveis pela preparação da criança, uma atenção especial. Pois o campo infantil é mais suscetível às influências na sua formação moral.

Incluem-se aqui a família, a escola e o poder público. Quanto mais afinados e voltados responsavelmente para o preparo do jovem adolescente, maior a garantia de existência de cidadãos conscientes e íntegros.

Esta educação sólida é necessária para fazer frente a uma gama de literatura, filmes, internet, TV e imprensa de má qualidade que influenciam o pensamento criando imagens distorcidas de uma realidade necessária ao equilíbrio da personalidade do jovem em formação.

Razão por que os exemplos dos pais e mestres possuem forte ascendência sobre a criança. A afeição e o amor favorecem o estímulo ao aprendizado das virtudes repelindo com cuidado e clareza as tendências para o vício, bem como se deve advertir sobre as consequências e males que ele significa. Educar com acompanhamento deveria ser a tônica a ser bem difundida e depois, com o crescimento do jovem, saber dar a liberdade para que vivencie sua experiência.

Na medida em que a criança convive com seus semelhantes adultos, tende a absorver, por imitação, o que lhe apraz e por recalque o que lhe desagrada ou causa mal-estar. O medo jamais deve ser usado no processo de formação do educando.

Cautela e atenção precisam ser dedicadas às crianças para que seja evitada a implantação de sérios e graves complexos que mais tarde podem exercer forte interferência em sua conduta adulta. E também é sumamente vital que os progenitores monitorem a qualidade das companhias dos filhos para que seja evitada a produção de futuros delinquentes.

A Ética é “a parte da filosofia que estuda a moral, isto é, que reflete e questiona sobre as regras morais. A reflexão ética pode inclusive contestar as regras morais vigentes, entendendo-as, por exemplo, como ultrapassadas ou simplesmente erradas do ponto de vista pessoal.”

Aprender sobre a ética leva ao aprendizado da convivência e hoje, neste milênio, tornou-se fundamental. Pode-se dizer que a ética é um guia a direcionar o pensamento organizado e induz a pessoa a perguntar-se, sob o prisma de princípios, de que forma ela pode ajudar a coletividade a que ela pertence.

Portanto, “Ética é um conjunto de conhecimentos extraídos da investigação do comportamento humano ao tentar explicar as regras morais de forma racional, fundamentada, científica e teórica.”

Para firmar bem esses conceitos, no contexto filosófico, ética e moral possuem diferentes significados. A ética está associada ao estudo fundamentado dos valores morais que orientam o comportamento humano em sociedade; enquanto a moral representa os costumes, regras, tabus e convenções estabelecidas por cada sociedade.

Se existe a ética quando existe o outro, ela não subsiste quando trato o outro como propriedade, como era o caso dos escravos ou dos operários de séculos passados. Quando olho o outro como objeto do meu interesse, diz Cortella, do meu desejo, do meu mando, rompo essa percepção de outro e consequentemente não há respeito, nem ética.
O educador tem que tratar o educando como o outro a quem deve dar toda sua atenção, respeito e tratamento ético.
Os parâmetros Curriculares Nacionais, com base na Lei de Diretrizes e Bases da Educação mencionam como proposta na educação “o aprimoramento do educando como pessoa humana, incluindo a formação ética e o desenvolvimento da autonomia intelectual e do pensamento crítico”; e adiante reforça, “o desenvolvimento de atitudes e valores é tão essencial quanto o aprendizado de conceitos e procedimentos” .

E posteriormente:

“Princípios éticos: valorização da autonomia, da responsabilidade e do respeito ao bem comum, ao meio ambiente e às diferentes culturas, identidades e singularidades”.
E para Yves de La Taille: “Nossos alunos precisam de princípios e não só de regras”. Para o psicólogo, a escola deve investir em formação ética no convívio entre alunos, professores e funcionários para vencer a indisciplina.” E adiante, “A dimensão moral da criança tem de ser trabalhada desde a pré-escola. Ética se aprende, não é uma coisa espontânea”

Mais além:

“Em primeiro lugar, é preciso lembrar que criar cidadãos éticos é uma responsabilidade de toda a sociedade e suas instituições. A família, por exemplo, desempenha uma função muito importante até o fim da adolescência, enquanto tem algum poder sobre os filhos. Décadas atrás, tiraram a disciplina Educação Moral e Cívica do currículo, mas o problema é que não colocaram nada no lugar. Moral, ética e cidadania se aprendem, não são espontâneas.”

Extraído de:
http://revistaescola.abril.com.br/formacao/fala-mestre-yves-la-taille-466838.shtml

E o filósofo Sérgio Cortella acrescenta, para que se identifique bem como se obter cidadãos éticos:
“Eu sou alguém que quer preservar a integridade. Logo, a minha casa tem de ficar íntegra, tem de ficar inteira. Quanto mais claros os princípios, mais lucidez eu terei para lidar com os dilemas. Não é que deixarei de tê-los, mas eles ficarão mais fáceis de serem resolvidos se eu tiver como razão central a integridade. O que é uma pessoa íntegra? É uma pessoa correta, que não se desvia do caminho, uma pessoa justa, honesta. É uma pessoa que não tem duas caras. Qual a grande virtude que caracteriza uma pessoa íntegra? Ela é sincera.”

E adiante: Integridade é um fundamento ético que deve ser internalizado e praticado. Concepção e prática. Esses são dois polos que ajudam a compreender os conceitos de ética e de moral.

A importância da ética na educação da criança (na família e na escola) se agiganta considerando-se que o aluno carrega o que aprende e aplica nos ambientes que frequenta, como a mídia, empresas, igrejas, entidades sociais.

Diante do dilema hodierno na formação do jovem, o educador precisa reconhecer com humildade suas limitações e exercer uma conduta íntegra, capaz onde o amor deveria preponderar no processo de ensino, sabendo que o bem comum será conseguido quando os princípios gerais são respeitados e aplicados com ética orientando sua capacidade de decidir, julgar e avaliar.

O Professor precisa exibir com exemplo um estilo de vida equilibrado, isento de vícios que prejudiquem a si mesmo e aos outros. Suas ações devem refletir uma conduta onde o afeto, a sobriedade, as palavras moderadas e cultas sejam o meio de que se serve para exercer tão nobre missão. Sua ética será tão presente que poderá elevar o nível do magistério com benefício notório no seu meio.

Com isto se terá um corpo docente competente e elevado, propiciando uma educação com qualidade em prol de um crescimento substancial dos jovens alunos, para a construção de cidadãos que foquem no positivo superando as ações negativas e depreciativas dentro da instituição.

O mestre precisa ter a convicção de que seu cargo pode mudar o perfil atual da sociedade; pode influenciar a maneira de pensar e agir dos educandos; deve incutir permanentemente as noções do bem e o desenvolvimento do caráter para exercer com ética e responsabilidade sua missão.

As Entidades responsáveis (públicas e privadas) pela educação deverão estar compenetradas de que junto com a formação, devem disponibilizar aos educandos condições plenas do uso da Tecnologia da Informação e Comunicação, com Ética, responsabilidade e incentivo para expandir as aptidões e competências dos alunos num mundo globalizado, integrando o Brasil nessa cultura.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *